Cursos de estética, cosméticos e treinamentos
Loading...

Permeabilidade Cutanea



A pele, mesmo sem restringir a maleabilidade do corpo humano, constitui uma barreira eficiente contra agressões exógenas, de natureza química ou biológica e impede a perda de água e de proteínas para o exterior. 

Anatomicamente, segundo alguns autores, a pele está dividida em três camadas, porém as citações mais recentes colocam da seguinte maneira: a Epiderme e Derme como sendo as camadas da pele, e a antiga Hipoderme agora como Tela Subcutânea, sendo estas três camadas consideradas uma barreira única para a permeabilidade através da pele. A penetração ocorrerá de três formas:

1 - Intercelular – entre as células
2 - Transcelular – através das células
3 - Transanexial – pelos anexos cutâneos (óstios e poros)

Pontos-chave em relação à barreira cutânea e sua permeabilidade são:

1 - O estrato córneo determina a barreira de permeabilidade da pele.
2 - Colesterol, ácidos graxos livres e glicosilceramidas são os lipídios essenciais que geram uma barreira de permeabilidade.
3 - Fatores genéticos e ambientais alteram a produção de lipídios e o mecanismo de reparo da barreira cutânea.

A absorção cutânea envolve três etapas distintas: a dissolução do ingrediente ativo no veículo, a difusão do ingrediente ativo solubilizado do veículo para a superfície da pele e a penetração do ativo através das camadas da pele.

A pele é permeável de modo geral, aos gases verdadeiros e a substâncias voláteis (éter, por exemplo). O mecanismo pelo qual atravessam a pele é o da difusão seguindo as leis da Física.

Relativamente permeável a determinadas substâncias lipossolúveis como hormônios esteroides, vitamina D e provavelmente vitamina A. Também os derivados fenólicos (resorcina, hidroquinona e o próprio Fenol) são absorvidos em graus variados.

Praticamente impermeável a eletrólitos, proteínas e carboidratos. Por exemplo, a penetração de sais é desprezível, a menos que sejam ionizados.

No caso das proteínas e carboidratos, sua impermeabilidade se deve ao tamanho de suas moléculas e à pouca lipossolubilidade. Sendo a principal função da pele agir como uma barreira, nada terá fácil permeabilidade através dela e, além disto, fatores diversos podem influenciar:

- Espessura da epiderme
- Idade
- Fluxo sanguíneo
- Hidratação
- Região da pele
- Capacidade de associação
- pH da pele
- Peso molecular (PM)
- Emulsões O/A (óleo em água)
- Estado de ionização
- Concentração do ativo
- pH alcalino
- Temperatura elevada

O Estrato Córneo – EC apresenta uma considerável barreira lipofílica à permeação de substâncias químicas. A absorção cutânea é afetada por fatores como tipo, condição e a presença de umidade da pele, a natureza dos ativos (propriedades físicas e químicas) e da base utilizada. Quanto maior for a afinidade da base cosmética em relação às características das células teciduais, maior será a absorção dos cosméticos.

A habilidade de um soluto em uma formulação tópica permear a pele e exercer seu efeito depende tanto das propriedades físico-químicas do agente bioativo, quanto de outros fatores relacionados com a composição do veículo.

Segundo Jocélia Jansen, para uma substância permear, precisa estar em seu estado molecular, mantendo a solubilidade constante, químicos com baixo peso molecular (PM 100) penetram de 100x a 1000x mais rápido que moléculas de peso molecular elevado (PM 400 ou mais).

As bases cosméticas utilizadas na estética são Emulsões, Géis, Seruns e Iontos. Estas podem influenciar na velocidade e no nível de absorção dos princípios ativos. Os veículos naturalmente podem modificar as propriedades do EC, por exemplo, aumentar a hidratação, a qual pode influenciar no perfil da penetração dos ingredientes ativos.

Diminui a TEWL e Aumenta o EFA – mais eficácia em resultados.

O pH – Potencial Hidrogeniônico, de uma solução é a forma de medir o grau de acidez ou alcalinidade do meio. Ou seja, mede a concentração de íons com carga positiva (cátions) e íons com carga negativa (ânions) deste meio. (Periotto, 2008). A reação de um ácido e uma base é chamada de neutralização e produz a formação de um sal e água (NaOH + HCL ->NaCl + H²O).

O sal formado normalmente é muito higroscópico e aumenta a ação hidratante do produto, quando executamos uma limpeza e esfoliação do tecido epicutâneo, provavelmente ocorrerá uma alteração do pH fisiológico e faz-se necessária então a utilização de uma loção tônica para promover o seu reequilíbrio.


PH DA PELE

- Um dos mais importantes mecanismos de defesa por seu grau de acidez
- Está entre 5,2 e 5,5
- Devido à composição média entre o suor, que após sua evaporação deixa uma quantidade elevada de ácidos orgânicos na superfície da pele.


PH DOS COSMÉTICOS

- Cosméticos limpadores: pH neutro ou alcalino (contrário ao pH da pele) -> promovem a detergência, emulsionam as gorduras e removem as impurezas. Eles não devem permanecer na pele além do tempo necessário.
- Cosméticos tônicos: Equilibram o pH da pele (retornam e corrigem o pH da pele).
- Outros cosméticos: pH próximo ao da pele 5,2 a 5,5 para que não ocorra modificação dos mecanismos de defesa da pele.

Fonte: Rabello e Fonseca, 2014
 


Rua Machado de Assis, 60 Curitiba Paraná Brasil
(555) 041 30184406