Cursos de estética, cosméticos e treinamentos
Loading...

Técnica RDB -Peeling de Verao - Enzimatico


 Peeling enzimático é uma técnica de tratamento onde é utilizado um produto com ativo à base de enzimas, como, por exemplo, a bromelina do abacaxi, a papaína do mamão, romã e fermentação de lactobacilos. Sendo um método menos agressivo que os ácidos, é usado até em peles sensíveis e durante o verão. Este procedimento é natural, rico em antioxidantes, promove o rejuvenescimento, harmoniza a cor de forma imediata deixando a pele macia e saudável. Suas enzimas renovam as células envelhecidas, sendo ideal para peles que apresentam aparência cansada e opaca. Eficácia obtida: • Renovação Celular em 13 dias • Atividade Antioxidante • Resistência à proliferação de melanócitos • Segurança comprovada Benefícios: • Remoção das células mortas da epiderme • Neutralizando os radicais livres • Propriedades levemente clareadoras • Regeneração dos tecidos epidérmicos e dermicos• Não agride e não irrita o tecido cutâneo 

O que são enzimas

Enzimas são proteínas formadas por longas cadeias de aminoácidos unidos por ligações peptídicas. São catalisadores biológicos extremamente eficientes que aceleram em média 10 9 a 10 12 vezes a velocidade da reação sem serem consumidos.

As mais utilizadas

Dentre as principais enzimas e classes enzimáticas que encontram aplicação em produtos cosméticos podemos citar: as proteases (papaína, bromelina, subtilisina e catepsina D), que hidrolisam proteínas a peptídeos e aminoácidos e promovem a renovação celular; as óxido-redutases (superóxido dismutase, catalase, lacase, peroxidase e glucose oxidase,) que protegem a pele do envelhecimento, através da conversão de radicais livres do oxigênio em espécies menos reativas; as amilases, que rompem as ligações dos polissacarídios provenientes de metabólitos ativos de microorganismos patogênicos em estruturas menores, tornando essas sujidades solúveis e mais fáceis de removê-las; as lipases, que hidrolisam os lipídios em estruturas menores, ácidos graxos e glicerol, reduzindo os nódulos de gordura e facilitando sua eliminação do organismo; a fosfatase alcalina, que aumenta o metabolismo celular e estimula a proliferação fibroblástica, reduzindo micro-rugas; a hialuronidase, que despolimeriza o ácido hialurônico presente no meio intersticial e promove a reabsorção do excesso de líquidos, diminuindo a celulite; a lisozima, que possui ação bactericida; as enzimas de reparo do DNA, que previnem e reparam o DNA lesado pela radiação UV; e as extremozimas.

Tipos de liberação de sistema enzimática

Os Lipossomas são cápsulas microscópicas que penetram na pele atingindo a profundidade desejada e liberando o seu conteúdo (os princípios ativos) de maneira contínua e programada por um longo período de tempo.

Substâncias ativas podem ser incorporadas seja no compartimento aquoso interno (substâncias hidrossolúveis), seja nas membranas dos lipossomas (substâncias lipofílicas ou anfifílicas). Os lipossomas aumentam as concentrações do ativo na epiderme e derme, agem como intensificadores de penetração e como membranas para liberação controlada de princípios ativos.

As Glicoesferas são configurações supramoleculares organizadas em torno de um núcleo sólido interior, composto de amido modificado, que é altamente hidrofílico e capaz de estabilizar a partícula fisico-quimicamente, aumentar sua biocompatibilidade, encapsular ativos hidrofílicos e, em virtude de seu tamanho reduzido (200 nanômetros), é capaz de penetrar nas camadas internas do estrato córneo. Sobre este núcleo está disposta uma camada única de ésteres de ácidos graxos, dotando essa estrutura de uma natureza lipofílica periférica, não modificando, entretanto, a natureza hidrofílica interna. Por fim, sobre esta camada de ácidos graxos, estão dispostos lipídios polares (lecitina hidrogenada), formando uma camada externa com capacidade de reter e transportar agentes ativos lipofílicos (Figura 3b). As glicoesferas, portanto, são capazes de incorporar tanto princípios ativos hidrofílicos, quanto lipofílicos, e imitam a estrutura dos corneócitos da pele.

As ligações iônicas e as interações hidrofóbicas são os dois tipos de interação química responsáveis pela capacidade das glicoesferas em reter moléculas em seu interior.

As Ciclodextrinas (CD’s) são oligossacarídeos cíclicos formados por moléculas de D-glicose unidas através de ligações glicosídicas á (1-4), obtidas a partir da degradação enzimática do amido. Quando o amido é tratado com a enzima ciclodextrinaglucosiltransferase(CGT), a reação intramolecular produz o composto cíclico?-1,4, conhecido como ciclodextrina.

Existem muitas vantagens na encapsulação molecular das ciclodextrinas: liberação controlada de ativos, o que significa maior biodisponibilidade; proteção contra oxidação e degradação, mantendo o efeito do ativo ao longo do tempo; redução da toxicidade e agressividade; formação de complexos hidrossolúveis mesmo se a molécula incorporada for lipossolúvel; melhora da estabilidade de emulsões e géis.

Maltodextrinas são oligossacarídeos lineares obtidos da hidrólise do malte catalisada pela enzima -glucosidase, de forma que podem ser consideradas produtos biotecnológicos obtidos de matérias-primas vegetais . A peculiaridade das maltodextrinas é que elas protegem o princípio ativo, aumentando a estabilidade. Em particular, as enzimas complexadas com maltodextrina têm sua atividade mantida por mais tempo ao serem incluídas no cosmético final.

Os princípios ativos complexados com maltodextrina penetram na pele, onde são liberados gradualmente, atingindo o seu alvo de ação. Além disso, elas intensificam bastante a atividade da substância funcional ligada a elas, reduzindo ao mesmo tempo efeitos de irritação possivelmente associados à forma livre dos princípios ativos.


 a técnica RDB + ação antioxidante que organiza e  coordena o tratamento estético em cabine nos  procedimentos  de peeling combinado com ação despigmentante. A Técnica montada como em forma piramidal tem como base a renovação celular, fundamental para a melhora do aspecto da pele ativando a renovação celular varremos células hiperpigmentadas além de facilitar a permeabilidade de princípios ativos. Após a base do tratamento, trabalhamos com diversos mecanismos despigmentantes visando à inibição e bloqueio da melanogênese.
Toda técnica protegida pelo pico de nossa pirâmide a importante ação antioxidante.Os peelings enzimáticos com papaína e bromelina também fornecem excelente suporte para os tratamentos despigmentantes uma vez que trabalham de forma efetiva através da hidrólise de proteínas e remoção da camada córnea de forma segura e eficaz oferecendo ação de melhora na permeação dos princípios ativos. As queixas de hiperpigmentação ou sua reincidência é comum durante todo o ano, portanto os tratamentos estéticos precisam oferecer tratamentos despigmentantes em todas as estações do ano sendo o peeling enzimático um excelente suporte para o tratamento despigmentante no verão, podendo ser combinado com Vitamina C, Ácido Ferúlico e o Ácido Kójico, que são inibidores da Melanogênese com vários mecanismos de ação.

Podemos considerar o peeling como um tratamento combinado onde o resultado depende de 3 atuações:

elaine 2



Rua Machado de Assis, 60 Curitiba Paraná Brasil
(555) 041 30184406